Arquivos – Arkivoj

Vizitantoj – Visitantes:

The 4 stages of islamic conquest – Os 4 estágios da conquista islâmica

The Four Stages of Islamic Conquest:

STAGE 1: INFILTRATION:

Muslims begin moving to non-Muslim countries in increasing numbers, and cultural conflicts start to become visible, though they are often subtle.

(1) First migration wave to non-Muslim “host” country.

(2) Appeal for humanitarian tolerance from the host society.

(3) Attempts to portray Islam as a peaceful & Muslims as victims of misunderstanding and racism (even though Islam is not a ‘race’).

(4) High Muslim birth rate in host country increase Muslim population.

(5) Mosques used to spread Islam and dislike of host country and culture.

(6) Calls to criminalize “Islamophobia” as a hate crime.

(7) Threatened legal action for perceived discrimination.

(8) Offers of “interfaith dialogue” to indoctrinate non-Muslims.

How many nations are suffering from Islamic infiltration? One? A handful? Nearly every nation?

The Islamic ‘leadership” of the Muslim Brotherhood and others wish to dissolve each nation’s sovereignty and replace it with the global imposition of Islamic sharia law.

Sharia law, based on the koran, sira and hadith, condemns liberty and forbids equality and is inconsistent with the laws of all Western nations. As the author and historian Serge Trifkovic states:

“The refusal of the Western elite class to protect their nations from jihadist infiltration is the biggest betrayal in history.”

STAGE 2: CONSOLIDATION OF POWER:

Muslim immigrants and host country converts continue demands for accommodation in employment, education, social services, financing and courts.

(1) Proselytizing increases; Establishment and Recruitment of Jihadi cells.

(2) Efforts to convert alienated segments of the population to Islam.

(3) Revisionist efforts to Islamize history.

(4) Efforts to destroy historic evidence that reveal true Islamism.

(4) Increased anti-western propaganda and psychological warfare.

(5) Efforts to recruit allies who share similar goals (communists, anarchists).

(6) Attempts to indoctrinate children to the Islamist viewpoint.

(6) Increased efforts to intimidate, silence and eliminate non-Muslims.

(7) Efforts to introduce blasphemy and hate laws in order to silence critics.

(8) Continued focus on enlarging Muslim population by increasing Muslim births and immigration.

(9) Use of charities to recruit supporters and fund jihad.

(10) Covert efforts to bring about the destruction of their host societies from within.

(11) The development of Muslim political bases in non-Muslim host societies.

(12) Islamic Financial networks fund political growth and acquisition of land.

(13) Highly visible assassination of critics aimed to intimidate opposition.

(14) Tolerance of non-Muslims diminishes.

(15) Greater demands to adopt strict Islamic conduct.

(16) Clandestine amassing of weapons and explosives in hidden locations.

(17) Overt disregard and rejection of a non-Muslim society’s legal system and culture.

(18) Efforts to undermine and destroy power base of non-Muslim religions including and especially Jews and Christians.

Is there a pattern here? Theo van Gogh is murdered in the Netherlands for ‘insulting’ Islam; the Organization of the Islamic Conference demands “anti-blasphemy” laws through the United Nations.

France is set afire regularly by “youths” (read Muslims).

The rise of (dis-) honor killings. holocaust denial, anti-Semitism, deception about the tenets of Islam, hatred toward Christians, Jews, Hindus, and Buddhists.

The pattern for all to see is the rise of Islamic intolerance and the covert/cultural jihad to remake host societies into sharia-compliant worlds to remove host sovereignty and replace it with Islamic sharia law.

Sharia law condemns earthly liberty and individual freedom, forbids equality among faiths and between the sexes, and that rejects the concept of nations outside the global house of Islam.

STAGE 3: OPEN WAR WITH LEADERSHIP AND CULTURE:

Open violence to impose Sharia law and associated cultural restrictions; rejection of host government, subjugation of other religions and customs.

(1) Intentional efforts to undermine the host government and culture.

(2) Acts of barbarity to intimidate citizens and foster fear and submission.

(3) Open and covert efforts to cause economic collapse of the society.

(4) All opposition is challenged and either eradicated or silenced.

(5) Mass execution of non-Muslims.

(6) Widespread ethnic cleansing by Islamic militias.

(7) Rejection and defiance of host society secular laws or culture.

(8) Murder of “moderate” Muslim intellectuals who don’t support Islamization.

(9) Destruction of churches, synagogues and other non-Muslim institutions.

(10) Women are restricted further in accordance with Sharia law.

(11) Large-scale destruction of population, assassinations, bombings.

(10) Toppling of government and usurpation of political power.

(11) Imposition of Sharia law

The website www.thereligionofpeace.com keeps track of the number of violent jihad attacks as best it can. The site lists more than 14,000 attacks since September 2001. It is worth a visit.

What is occurring, however, are events where muslims are bullied by other muslims for not being “muslim enough,” where non-Muslims are intimidated into doing or not doing what they desire, where remnant populations are in a death spiral simply for being non-muslim in a predominantly muslim area.

Christians, Jews, Hindus, Buddhists Animists and Atheists meet with death, property destruction or confiscation, forced conversion, rape, excessive taxation (the jizya), enslavement, riotous mobs and various other forms of islam (in-) justice at the hands of muslims in Sudan, Philippines, Kenya, Malaysia, India, etc.

And let us not forget “death to Apostates” the world over.

STAGE 4: TOTALITARIAN ISLAMIC THEOCRACY:

Islam becomes the only religious-political-judicial-cultural ideology.

(1) Sharia becomes the “law of the land.

(2) All non-Islamic human rights cancelled.

(3) Enslavement and genocide of non-Muslim population.

(4) Freedom of speech and the press eradicated.

(5) All religions other than Islam are forbidden and destroyed.

(6) Destruction of all evidence of non-Muslim culture, populations and symbols in countries they conquer (Buddhas, houses of worship, art, etc).

(7) The House of Islam (“peace”), dar al-Islam, includes those nations that have submitted to Islamic rule, to the soul crushing, liberty-condemning, discriminatory law of Sharia.

The rest of the world is in the House of War, dar al-harb, because it does not submit to Sharia and exists in a state of rebellion or war with the will of “Allah.”

No non-Muslim state or its citizens are “innocent,” and remain viable targets of war for not believing in “Allah.”

The Christian, Jewish, Coptic, Hindu and Zoroastrian peoples of world have suffered under subjugation for centuries. The Dhimmi-esque are forbidden to construct houses of worship or repair existing ones.

They are economically crippled by the heavy jizya (tax), socially humiliated, legally discriminated against, criminally targeted and generally kept in a permanent state of weakness, fear and vulnerability by Islamic governments.

It should be noted that forced conversions (Egypt) and slavery (Sudan) are still reported. Homosexuals have been hung in the public square in Iran. Young girls are married to old men. Apostates are threatened with death. “Honor” killings are routine. Women are legally second-class citizens, though Muslim males insist they are “treated better” than in the West.

These more obvious manifestations may distract from some less obvious ones such as the lack of intellectual inquiry in science, narrow scope of writing, all but non-existent art and music, sexual use and abuse of youth and women, and the disregard for personal fulfillment, joy and wonder.

[Article taken from: http://civilusdefendus.wordpress.com/2010/01/10/4-stages-of-islamic-conquest/, on April 29-th 2012.]

**********************************************************************

Os quatro estágios da conquista islâmica:

ESTÁGIO 1: INFILTRAÇÃO:

Muçulmanos começam a se mudar para países não-muçulmanos em quantidade crescente, e os conflitos culturais começam a se tornar visíveis, embora sejam sempre sutis.

(1) Primeira onda de migração para uma nação “hospedeira” não-muçulmana.

(2) Apelo por tolerância humanitária da sociedade hospedeira.

(3) Tentativa de retratar o Islã como pacífico e os muçulmanos como vítimas de mal-entendidos e racismo (mesmo que o Islã não seja uma ‘raça’).

(4) Alta taxa de natalidade muçulmana na nação hospedeira aumenta a população muçulmana.

(5) Mesquitas usadas para divulgar o Islã e antipatizar com a nação hospedeira e a sua cultura.

(6) Pedidos para criminalizar “Islamofobia” como um crime de ódio.

(7) Ameaçada uma ação legal por uma discriminação percebida.

(8) Ofertas de “diálogo interreligioso” para doutrinar não-muçulmanos.

Quantas nações estão sofrendo a infiltração islâmica? Uma? Um punhado? Quase toda nação?

A ‘liderança’ islâmica da Irmandade Muçulmana e outros querem dissolver a soberania de cada nação e substituí-la pela imposição global da lei islâmica “sharia”.

A “sharia”, baseada no Corão, Sira e Hadith, condena a liberdade e proibe a igualdade, e é inconsistente com as leis de todas as nações ocidentais. Como o autor e historiador Serge Trifkovic constata:

“A recusa da elite ocidental em proteger suas nações da inflitração jihadista é a maior traição na história.”

ESTÁGIO 2: CONSOLIDAÇÃO DO PODER:

Imigrantes muçulmanos e convertidos da nação hospedeira continuam demandando acomodação em empregos, educação, serviços sociais, finanças e tribunais.

(1) Proselitismo cresce; Estabelecimento e Recrutamento de células da Jihadi.

(2) Esforços para converter segmentos alienados da população para o Islã.

(3) Esforços revisionistas para islamizar a história.

(4) Esforços para destruiu evidências históricas que revelam o verdadeiro Islamismo.

(4) Aumenta a propaganda anti-ocidental e a guerra psicológica.

(5) Esforços para recrutar aliados que partilham de objetivos semelhantes (communistas, anarquistas).

(6) Tentativas de doutrinar crianças para o ponto de vista islamista.

(6) Crescem os esforços para intimidar, silenciar e eliminar os não-muçulmanos.

(7) Esforços para introduzir a blasfêmia e leis de ódio para silenciar as críticas.

(8) Foco continuado no crescimento da população islâmica pelo aumento da natalidade muçulmana e imigração.

(9) Uso de organizações de captação de recursos para recrutar apoiadores e fundar uma jihad.

(10) Esforços secretos para promover a destruição das sociedades hospedeiras a partir de dentro.

(11) O desenvolvimento de bases políticas muçulmanas em sociedades hospedeiras não-muçulmanas.

(12) Redes financeiras islâmicas fornecem dinheiro para crescimento político e aquisição de terras.

(13) Assassinato altamente visível de críticos com o objetivo de intimidar a oposição.

(14) Diminui a tolerância para com os não-muçulmanos.

(15) Maiores demandas para adoção da conduta severa islâmica.

(16) Concentração clandestina de armas e explosivos em lugares secretos.

(17) Ignorância e rejeição abertas ao sistema legal e à cultura de uma sociedade não-muçulmana.

(18) Esforços para minar e destruir a base de apoio de religiões não-muçulmanas, incluindo, e especialmente, Judeus e Cristãos.

Há uma regra aqui? Theo van Gogh é assassinado na Holanda por ‘insultar’ o Islã; a Organização da Conferência Islâmica demanda leis “anti-blasfêmia” por meio da ONU.

A França é posta em chamas regularmente por “jovens” (leia-se muçulmanos).

O aumento de crimes de (des-)honra, negação do holocausto, anti-Semitismo, enganos sobre os princípios do Islã, ódio a Cristãos, Judeus, Hindus e Budistas.

A regra que não se vê é o crescimento da intolerância islâmica e a jihad cultural/secreta para transformar as sociedades hospedeiras em mundos cumpridores da sharia, removendo a soberania e substituindo-a pela lei islâmica da sharia.

A lei da sharia condena a liberdade civil e a liberdade individual, proíbe a igualdade entre religiões e entre os sexos, e rejeita o conceito de nações fora da casa global do Islã.

ESTÁGIO 3: GUERRA ABERTA COM LIDERANÇAS E CULTURAS:

Violência aberta para impor a lei da sharia e restrições culturais associadas; rejeição do governo local, subjugamento de outras religiões e costumes.

(1) Esforços intencionais de minar o governo hospedeiro e a cultura local.

(2) Atos de barbaridade para intimidar cidadãos e desenvolver o medo e a submissão.

(3) Esforços abertos e secretos feitos para causar o colapso econômico da sociedade.

(4) Toda oposição é desafiada e erradicada ou silenciada.

(5) Execução em massa de não-muçulmanos.

(6) Limpeza étnica extensa feita por milícias islâmicas.

(7) Rejeição e desobediências das leis ou cultura secular da sociedade hospedeira.

(8) Assassinato de intelectuais muçulmanos “moderados” que não apoiam a islamização.

(9) Destruição de igrejas, sinagogas e outras instituições não-muçulmanas.

(10) Mulheres são restritas cada vez mais, em obediência à lei da sharia.

(11) Destruição da população em larga escala, assassinatos, atentados a bomba.

(10) Derrubada do governo e usurpação do poder político.

(11) Imposição da lei da sharia.

O site www.thereligionofpeace.com mantém o registro do número de ataques violentos da jihad com a maior precisão possível. O site lista mais que 14 mil ataques desde setembro de 2001. Vale a pena visitar.

O que está ocorrendo, no entanto, são eventos onde muçulmanos são agredidos por outros muçulmanos por não serem “muçulmanos o suficiente”, onde não-muçulmanos são intimidados a fazer ou não fazer o que os muçulmanos desejam, onde as populações remanescentes estão num espiral de morte simplesmente por serem não-muçulmanas numa área predominantemente muçulmana.

Cristãos, Judeus, Hindus, Budistas, Animistas e Ateus deparam com a morte, destruição ou confisco de propriedades, conversão forçada, estupros, taxação excessiva (chamada “jizya”), escravização, quadrilhas descontroladas e várias outras formas de (in)justiça islâmica à disposição de muçulmanos no Sudão, Filipinas, Quênia, Malásia, Índia, etc.

E não nos esqueçamos da “morte aos apóstatas” no mundo inteiro.

ESTÁGIO 4: TEOCRACIA TOTALITÁRIA ISLÂMICA:

O Islã se torna a única ideologia cultural-judicial-política-religiosa.

(1) A Sharia se torna a “lei da nação”.

(2) São cancelados todos os direitos humanos não-islâmicos.

(3) Escravização e genocídio da população não-islâmica.

(4) São erradicadas as liberdades de expressão e de imprensa.

(5) São proibidas e destruídas todas outras religiões fora do Islã.

(6) Destruição de toda evidência de cultura, populações e símbolos não-islâmicos nas nações que eles conquistam (estátuas do Buda, casas de culto, artes, etc).

(7) A Casa do Islã (“paz”), “dar al-Islam”, inclui essas nações que foram submetidas à regra islâmica, à lei discriminatória, destruidora de almas, condenadora da liberdade, que se chama Sharia.

O resto do mundo está na Casa da Guerra, “dar al-harb”, pois não se submete à Sharia e existe num estado de rebelião ou guerra contra a vontade de “Allah”.

Nenhum estado não-muçulmano nem seus cidadãos são “inocentes”, e permanecem como alvos viáveis da guerra por não acreditar em “Allah.”

Os povos Cristãos, Judaicos, Coptas, Hindus e Zoroastras do mundo têm sofrido sob o jugo por séculos. Esquece-se da lei dos Dhimma para construir casas de culto ou reparar as existentes.

Eles são economicamente destruídos pela pesada “jizya” (imposto), humilhados socialmente, discriminados legalmente, mirados criminalmente como alvos e geralmente mantidos num permanente estado de fraqueza, medo e vulnerabilidade pelos governos islâmicos.

Deve-se notar que as conversões forçadas (Egito) e escravidão forçada (Sudão) ainda são noticiados. Homossexuais têm sido enforcados em praça pública no Irã. Jovens meninas são forçadas a casarem-se com homens velhos. Apóstatas são ameaçados de morte. Homicídios de “honra” são rotineiros. Mulheres são legalmente cidadãs de segunda-classe, embora os homens muçulmanos insistam que elas são “melhor tratadas” que no Ocidente.

Estas manifestações mais óbvias podem distrair as menos óbvias tais como a falta de espírito crítico intelectual na ciência, literatura com visão estreita, todas as quase inexistentes artes e músicas, uso e abuso sexual de jovens e mulheres, e o desprezo pela satisfação, felicidade e júbilo pessoais.

[Traduzido do artigo original em inglês disponível em: http://civilusdefendus.wordpress.com/2010/01/10/4-stages-of-islamic-conquest/, acessado em 29/04/2012; o tradutor não é responsável pelo conteúdo, visto que respeita o teor original do texto.]